Acervo

Com peças como estátuas de calcário medievais, mármores romanos, itens de madeira asiática, instrumentos de tortura da época da escravidão e cerâmicas egípcia e grega, são parte do acervo do Museu da Humanidade. O segundo andar da edificação, ainda em implantação, tem 23 salas, cada uma com o objetivo de mostrar uma época da sociedade humana e ainda antes, desde a formação do planeta Terra até o século XIX, passando por Pré-História, Egito, Grécia, Roma, Bizâncio e mundo islâmico. As peças do museu foram adquiridas fora do país, são dos cinco continentes e foram compradas em leilões. Já as peças do Brasil são oriundas de escavações realizadas pelo IPHARJ. Elas pertencem à União, e como nós ganhamos, o reconhecimento do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), com isso, nos tornamos reserva oficial do Estado brasileiro. Para conseguirmos esse reconhecimento, o instituto segue uma série de determinações oficiais — informa Claudio Prado, presidente do IPHARJ.